terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Glass Harp


Só para provocar o chifrudo, aquele que se intitula “o pai do rock”, Deus costuma privilegiar determinados músicos com um talento excepcional e alistá-los na legião de missionários que espalha a palavra de Seu filho por aí. Realmente, o rock cristão não costuma empolgar os adeptos do lado negro do rock’n’roll, mas fico imaginando o tinhoso querendo seduzir um ou outro desses talentos não só para fazer desfeita ao rival, mas porque gostaria muito de tê-los no som ambiente que embala os cômodos quentinhos de sua morada.

Philip Tyler Keaggy, ou Phil Keaggy, guitarrista do power trio norte americano Glass Harp, é uma dessas figuras que valeriam qualquer esforço satânico. Não que sua vida tenha sido virtuosa a ponto de merecer um texto no verso de um desses santinhos que se distribuem nas igrejas. Muito pelo contrário: Phil foi uma típica criança americana nos anos 50 e um clichê de adolescente nos 60.

Nascido em 1951 na cidade de Youngstown, Ohio, aos quatro anos de idade perdeu metade do dedo médio da mão direita em um acidente com a bomba d’água que abastecia a casa da fazenda onde morava. E crescer com nove dedos nas mãos não encoraja ninguém a empunhar uma guitarra, não é mesmo? Por isso Phil pediu ao pai uma bateria no seu aniversário de 10 anos. Ao invés disso, ganhou uma guitarra Sears Silvertone e penou até aprender a tocá-la. Poucos anos depois trocou por uma Stratocaster e lá pela metade dos anos 60 já tocava nas bandas de garagem locais e tinha como concorrente outro futuro guitar hero: Joe Walsh (James Gang, Eagles).

Em 1965, na escola, Phil começou sua amizade e parceria com o baterista, guitarrista e compositor John Sferra. Ao voltar cheio de idéias de uma curta estadia na Califórnia com a banda The New Hudson Exit, em 1968, Phil convidou John e o baixista Steve Markulin para formarem o Glass Harp. Passaram então a rodar o circuito colegial e de clubes da região de Youngstown, ganhando entrosamento e uma certa notoriedade, além de gravarem várias demos. Uma delas, “Where Did My World Come From” acabou virando um single lançado pelo selo United Label.

Glass Harp, Human Beinz, Raspberries e o James Gang de Joe Walsh eram as bandas mais populares do nordeste de Ohio nessa época. E após a saída de Markulin para se juntar ao Beinz, o Glass Harp recrutou o baixista e flautista Daniel Pecchio para o seu lugar. A crescente fama do grupo, no entanto, começou a trazer problemas para seus membros que, ainda no final da adolescência, tiveram que abandonar a escola e estudarem por correspondência para darem conta dos compromissos. O ano era 1969 e eles não apenas ganharam uma edição da “Battle of the Bands” da região, como também a atenção de um dos jurados que estava lá como olheiro do produtor Lewis Merenstein, votado na época como produtor do ano pela Rolling Stone pelo seu trabalho no disco Moondance, de Van Morrison.

Bastou uma ouvida nos demos e uma olhadinha na banda ao vivo para convencer Merenstein a apadrinhar o grupo, oferecendo inclusive um contrato para alguns discos no prestigiado selo Decca. Bom, eu não tenho os ouvidos de um produtor musical nem sou músico, minha ignorância musical também me impossibilita afirmar se o Phil Keaggy glissandeia, arpejeia ou simplesmente embuceteia na guitarra, mas pelo que a gente lê de quem ouviu o Glass Harp ao vivo nesses idos de 69 e comecinho dos 70, os garotos impressionavam. A guitarra ágil de Keaggy soava carregada de lirismo e a cozinha de Sferra e Pecchio não era apenas competente, era versátil e poderosa. Em suma, eles prometiam.

O entusiasmo pela banda era tamanho que um gaiato qualquer chegou a espalhar um boato de que Jimi Hendrix, ao ser entrevistado em um programa de TV ou nas páginas da Rolling Stone, teria afirmado que Phil Keaggy era o melhor guitarrista do mundo. Essa historinha corre solta até hoje, mesmo depois dos vários desmentidos de Keaggy, já que Hendrix dificilmente conhecera a banda ao vivo e seu disco de estréia, embora gravado no Electric Lady Studios, de Jimi, em Nova York, e produzido por Merenstein, ficaria pronto duas semanas após a morte do guitarrista.

De toda forma, antes de gravarem esse disco, um fato influenciaria e muito o som do jovem guitarrista e de sua banda: a mãe de Phil, grande entusiasta e apoiadora incansável do Glass Harp, morreu em fevereiro de 1970. Keaggy tinha apenas 19 anos e havia sido um adolescente nômade em função de sua vida de músico, mas muito apegado à família. Como músico em plena era hippie, começava a se envolver com drogas e todos os excessos do psychedelic way of life. Inconformado com a morte da mãe e confortado pelas palavras de fé de uma de suas irmãs, fez uma reflexão de vida e resolveu se converter ao cristianismo, usando a música como expressão de sua crença.

1970 | GLASS HARP

01. Can You See Me
02. Children's Fantasy
03. Changes
04. Village Queen
05. Black Horse
06. Southbound
07. Whatever Life Demands
08. Look In The Sky
09. Garden
10. On Our Own
11. Voice Of God Cry Out (Previously Unreleased)

DOWNLOAD

Não pense com isso que o homônimo LP de estréia do Glass Harp seja trilha sonora de missa de domingo. Longe disso, mas que tem o dedo do Homem lá, isso tem. Para começar, é belíssimo, com harmonias tão ricas que nem o mais iluminado dos beatos conseguiria descrever. No entanto, é power rock. E dos bons, daqueles de arrepiar. O que dão um pouco de bandeira são as letras: “Can You See Me” e “Look In The Sky” são verdadeiros hinos de fé e mesmo as músicas compostas por Sferra ou Pecchio são carregadas de soul. A produção magnífica de Merenstein, recheada por belíssimas intervenções de cordas e pontuada aqui e ali pela flauta etérea de Pecchio, chega a ser deslumbrante. E olha que nem citei ainda a guitarra de Keaggy, lírica, comovente, inventiva, muitas vezes celestial. O álbum é foda.

O Glass Harp é hoje considerado um dos pioneiros do rock cristão contemporâneo, mas nem por isso seus membros eram coroinhas de plantão. Ao vivo, esse power trio era diabólico, na mais pura tradição creamniana, com ferozes jams que se prolongavam acima dos 30 minutos e toneladas de peso martelando os ouvidos. Como contratados do selo Decca, tocaram do Fillmore ao Winterland Ballroom e abriram para Yes, Alice Cooper, Traffic, Chicago, Grand Funk Railroad e mais um monte de super bandas. E convenhamos que não dava para ser muito bonzinho ao encarar a platéia de tia Alice.

1971 | SINERGY

01. Can You See Me
02. Children's Fantasy
03. Changes
04. Village Queen
05. Black Horse
06. Southbound
07. Whatever Life Demands
08. Look In The Sky
09. Garden
10. On Our Own
11. Voice Of God Cry Out (Previously Unreleased)

DOWNLOAD

Em 1971, com seus integrantes na faixa dos 20 anos apenas, o Glass Harp já prometia ser the next big thing, carregando de tinta a imprensa musical e caindo nas graças do público americano e dos críticos, impressionados com a ousadia camaleônica de suas apresentações ao vivo. Seu segundo disco, Synergy, ainda mantinha as estruturas harmoniosas da estreia, mas desta vez arriscava um pouco de folk, abusava do hard rock e se aventurava no progressivo. As músicas “Mountains”, “Never Is A Long Time” e “One Day At A Time” devem ter feito muito big star procurar seu médico atrás de uma boa receita de analgésico para dor de cotovelo.

Reunidos com Merenstein e os executivos da Decca, começaram a traçar planos para o primeiro registro ao vivo da banda, que deveria ser lançado como o próximo LP. A oportunidade chegou quando o Glass Harp foi convidado para ser a banda de abertura do concerto do Kinks, a ser realizado em 1972 no Carnegie Hall. Três verdadeiros desafios para três garotos: tocar no maior templo da música americana, abrir para uma das mais lendárias bandas do rock inglês e reverter a costumeira indiferença do público novaiorquino. O que se ouve dessa gravação, tirando os primeiros minutos de natural nervosismo, é uma verdadeira celebração ao rock’n’roll, quase uma hora de energia pura, incontida, impiedosa. Cinco músicas apenas no set list: a poderosa “Look In The Sky”, a paquidérmica “Never Is A Long Time”, a adaptação do clássico hino gospel “Do Lord”, a pirotécnica “Changes” e a épica “Can You See Me”, esta última com 30 minutos de improvisos fantásticos e um medley da então inédita “David And Golliath” e “One Day At A Time”. Uma merecida ovação da platéia encerra o show.

1972 | IT MAKES ME GLAD

01. See Saw
02. Sailing On A River
03. La Da Da
04. Colt
05. Sea And You
06. David & Goliath
07. I'm Going Home
08. Do Lord
09. Song In The Air
10. Let's Live Together
11. Little Doggie (Previously Unreleased)

DOWNLOAD

Inexplicavelmente, esse registro só viria a público na forma de CD vinte e cinco anos depois. No lugar dele foi lançado em 1972 o terceiro álbum de estúdio da banda: It Makes Me Glad. Um disco mais contemplativo, mas ainda assim maravilhoso. Ele contém as três músicas que os fãs apelidaram “The Trilogy”: uma suíte épica de 10 minutos composta das músicas “David and Golliath”, “I’m Going Home” e “Do Lord”.

Logo após o lançamento desse LP e no auge da fama, Phil Keagy decide abandonar a banda e abraçar de vez o gospel, iniciando uma carreira solo coroada com algumas dezenas de álbuns, prêmios e indicações para o Grammy de melhor álbum na sua categoria. A banda ainda tentou seguir em frente, recrutando o guitarrista Tim Burks e o violinista Randy Benson. O som do grupo enveredou para o progressivo, mas nenhum registro dessa nova fase viu a luz do dia. O grupo encerrou de vez suas atividades em 1973. Os três membros originais da banda se reuniram novamente em 1997 e desde então têm lançado CDs e excursionado regularmente. Vários vídeos de suas novas apresentações podem ser vistos no YouTube.

1997 | LIVE AT CARNEGIE HALL 1972

01. Look In The Sky
02. Never Is A Long Time
03. Do Lord
04. Changes
05. Can You See Me




DOWNLOAD

sábado, 20 de janeiro de 2018

Leaf Hound


Formado nos idos de 1970 em Londres, o Leaf Hound lançou apenas um álbum, que simplesmente assombra pela qualidade, impacto, excelente execução e canções que beiram a perfeição e nos chocam por saber que bandas inferiores conseguiram êxito enquanto o Leaf Hound praticamente nada conseguiu em sua época.

Formada pelos irmãos Derek e Stuart Brooks na guitarra e baixo, Mick Halls na outra guitarra, Keith G. Young na bateria e pelo excelente vocalista Peter French, o Leaf Hound praticamente nasceu do legendário Black Cat Bones – grupo onde se encontrava os irmãos Brooks.

O quinteto lançou esta pequena obra-prima do hard rock, chamada Growers of Mushroom em pleno 1971 pela Decca Records tendo sido gravado em apenas um dia (na verdade uma sessão de 11 horas de estúdio) e ainda hoje surpreende pela força e que chega a lembrar em alguns momentos grupos de sucesso como Free e principalmente o Led Zeppelin, o que pode ser percebido na faixa Freelance Flend, que abre o disco e nos traz à lembrança a música Good Times Bad Times, contida no álbum de estréia do grupo de Page e Plant. Já a bela Sad Road to the Sea tem uma levada mais acústi ca, é linda de morrer e destaca um belo solo de guitarra de Brooks.

A terceira faixa é Drowned My Life in Fear, também de primeira linha. A longa faixa Work My Body, com seus oito minutos, é a suíte do disco, um hard rock que se mistura com blues produzindo um belo resultado final principalmente pelo trabalho das guitarras e vocais. Na sequência, ainda temos With a Minute To Go, a grande balada do disco. Possui um belo andamento, vocal emocionado, linha de baixo muito interessante e violões ao fundo. A faixa título já é curti nha, interessante e não chega a cortar o barato, mas dá pra dar uma respirada durante sua execução.

O hard rock intenso volta com tudo em Stagnant Pool. A faixa é daquelas arrasa quarteirão com as duas guitarras solando o tempo todo, baixo pulsante e pesado e uma bateria pra lá de efi ciente. Após o lançamento do álbum na Inglaterra e de um relativo sucesso em seus shows, Growers of Mushroom foi editado também na Alemanha pelo selo Telefunken, porém acabou não alcançando o sucesso esperado e a banda dispersou-se.

Com o fim prematuro, Peter French seguiu para o Atomic Rooster, alcançando então muito sucesso com o estupendo In Hearing Of. Logo depois ele ainda participaria do excelente Cactus, dos ex-Fanilla Fudge Carmine Appice e Tim Boggert. O disco teve importantes reedições anos atrás inclusive em vinil num material gráfico incrível contando com um superpôster, capa dupla, dura e ótima prensagem. Recentemente, o Leaf Hound se reagrupou para realizar nossos trabalhos mas certamente a química de 1971 já não será a mesma.

Fonte: Rock Raro - O Maravilhoso e deconhecido mundo do rock

Texto retirado do blog | A Máquina de Fazer Sonhos

1971 | GROWERS OF MUSHROOM

01.Freelance Flend
02. Sad Road to the Sea
03. Drowned my Life in Fear
04. Work my Body
05. Stray
06. With a Minute to Go
07. Growners of Mushroom
08. Stagnant Pool
09. Sawdust Ceasar

DOWNLOAD

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

Trace


O tecladista holandês Rick van der Linden (nascido a 05 de agosto de 1946) começou a estudar piano ainda na infância, e, em 1966, juntou-se ao The Incrowd, que se tornaria o Ekseption, grupo com o qual alcançaria o sucesso, e de quem seria o principal compositor. Em 1973, com ciúmes das atenções dedicadas pela mídia ao seu tecladista (e também dos royalties a mais que ele ganhava por compor as músicas), os outros membros da banda pediram que ele saísse, deixando o prodígio das teclas livre para montar um grupo que satisfizesse plenamente suas intenções musicais.

A princípio com o baterista Peter de Leeuwe como parceiro, Rick formou o Ace, mas rapidamente julgou que Peter não estava no nível que ele desejava, e o substituiu por Pierre van der Linden, primo do tecladista, e recém saído do Focus, outro gigante do progressivo holandês. Com a chegada de Jaap van Eik para o baixo, Rick realizou o seu desejo de ter um grupo nos moldes do Nice (banda que revelaria o tecladista Keith Emerson), mas, após assinar um contrato com a gravadora Philips, descobriu que outro conjunto tinha os direitos do nome Ace. Rebatizado então como Trace, o grupo partiu para as gravações de seu primeiro álbum, um dos pilares do progressivo holandês em todos os tempos!

Confira agora a curta, porém qualificada, trajetória do Trace!

1974 | TRACE

01. Gaillarde
02. Gare Le Corbeau
03. Gaillarde
04. The Death Of Ace
05. The Escape Of The Piper
06. Once
07. Progression
08. A Memory I
09. The Lost Past
10. A Memory II
11. Final Trace
12. Progress
13. Tabu

DOWNLOAD

Precedida por um single com as canções "Progress" (que tem partes que lembram bastante o Focus, especialmente pelo uso do Hammond por parte de Rick) e a viajante "Tabu" (uma adaptação para a composição de Dizzy Gillespie, e onde todos os músicos se destacam, com os teclados em maior evidência), a estreia do Trace abre com uma obra em três atos chamada "Galliarde" (composta de um misto de um arranjo para uma peça de J.S. Bach e para uma tradicional dança polonesa), cuja primeira parte tem um começo muito animado, seguido de um tema com efeitos de teclados muito semelhantes aos que Keith Emerson costumava utilizar no ELP, impressão reforçada pelo arranjo da excelente "cozinha", culminando em um final mais calmo antes do início da segunda parte (intitulada "Gare le Corbeau"), apenas com baixo e bateria executando uma melodia de orientação jazzística, para a canção se concluir com a retomada de "Galliarde", que ressurge do ponto calmo, passando pelo tema que lembra o ELP e voltando então ao início de tudo.

Outra faixa baseada em uma peça clássica (desta vez de Edvard Grieg) é "The Death of Ace", uma canção mais lenta, apresentando até um certo tom melancólico, com total destaque para os teclados de Rick, mas também dando o devido brilho a van Eik e a Pierre, que executa aqui um trabalho soberbo de bateria, como também acontece em "The Lost Past", seu "momento solo" no álbum, que vem intercalado entre as duas partes da melancólica "A Memory", comandada pelos teclados. "Once" apresenta novamente um andamento jazzístico em sua parte intermediária, com algumas vocalizações "estranhas" feitas pelo tecladista, e até citação à clássica "Hall of the Mountain King", deixando clara a influência deste estilo sobre o principal compositor do Trace. A longa "Progression" (mais de doze minutos) é outra que demonstra o quanto Rick van der Linden foi influenciado pelos compositores clássicos, além de o tecladista usar e abusar de seu arsenal de instrumentos, como também ocorre em "Final Trace", que fecha o disco original com um tom quase de hino sacro, em contraste com a divertida "The Escape of the Piper", onde o piano é o destaque, e que inclui algumas linhas executadas na gaita de foles.

A edição em CD ainda acresceu as duas faixas saídas do single de estreia, não incluídas originalmente no álbum. Apesar de alguns efeitos de teclados soarem bastante datados hoje em dia, este disco ainda permanece como um marco dentro do rock progressivo, apresentando um tecladista no mesmo nível dos grandes ídolos do instrumento no estilo, e uma cozinha azeitada e eficiente. Pouco depois de uma excursão pela Inglaterra, Pierre, cansado da rotina de turnês e gravações que enfrentava desde sua época com o Focus, decide deixar o Trace, que foi buscar na própria Grã-Bretanha o substituto para seu baterista!

1975 | BIRDS

01. Bourée
02. Snuff
03. Janny (In A Mist)
04. Opus 1065
05. Penny
06. Trixie-Dixie
07. King-Bird
Bonus Tracks.
08. Birds (Short Edit)
09. Tabu (Second Version)

DOWNLOAD

Após testar quinze bateristas, Ian Mosley (ex-Wolf) foi o escolhido para o posto, e o Trace gravou um álbum menos "progressivo" que o primeiro, onde os teclados e sintetizadores adotam timbres mais "modernos" para a época, fugindo um pouco da sonoridade presente no primeiro registro, como podemos conferir em "Snuff", um tema agitado, que lembra a trilha dos filmes do gênero blaxploitation embora tenha uma parte mais "clássica" no meio, com destaque para o trabalho de Jaap e Mosley.

Duas adaptações para obras de J.S. Bach aparecem no track list, sendo elas a bela "Opus 1065" (do "Concerto for Four Hands"), que conta em seus quase oito minutos com a participação especial do violinista Darryl Way (então membro do Curved Air, e que executa um interessante solo ao instrumento) e "Bourrée", onde não é interpretado o mesmo trecho que estamos acostumados a ouvir com o Jethro Tull, mas sim um outro tema mais rápido (onde o grito de um macaco é interpretado, segundo o encarte, pelo gerente de turnê do grupo, Coen Hoedeman). "Janny (In A Mist)" é um curto tema escrito em 1928 pelo músico de jazz Bix Beiderbecke, onde Rick toca solo ao piano, instrumento que também domina "Penny", com um arranjo jazzístico em sua melodia. "Trixie-Dixie" é uma curta vinheta quase sem sentido, uma simples brincadeira de estúdio que encerrava um dos lados da versão original em vinil. A suíte "King Bird" é dividida em onze partes, e, com quase vinte e dois minutos, ocupava todo o outro lado do vinil (encontrei versões com a faixa por vezes no lado A, em outras no lado B, embora o encarte do CD cite que ela compõe o lado B), com o enredo do "conto" imaginado por Rick representado em uma divertida história em quadrinhos no encarte original (o qual perdeu muito do atrativo visual quando passado para as reduzidas dimensões do disco digital), apresentando muitas variações ao longo de sua duração, e podendo ser considerada a única canção tipicamente "prog" do disco (talvez ao lado de "Opus 1065").

Curiosamente, é a única faixa dos dois discos a apresentar trechos de guitarra e letra nos vocais de sua melodia, ficando o instrumento e a voz a cargo de Jaap van Eik. A versão em CD inclui duas músicas bônus presentes apenas em um single lançado antes do álbum, sendo elas uma nova versão para "Tabu" e uma "short edition" de "Birds", com pouco mais de três minutos e meio. Apesar de bastante recomendável, não é um disco do mesmo nível do primeiro, e o baixo número de unidades vendidas à época repercutiu esta realidade. Com isto, a banda ficou sem a possibilidade de realizar uma turnê de divulgação (apesar de alguns poucos shows realizados logo após o disco ser colocado à venda), o que ocasionou a saída de Jaap van Eik e Ian Mosley, indo a dupla primeiro para o Chain of Fools, com o baixista depois unindo-se ao Vitesse, e o baterista indo tocar com o Footswitch, depois com o guitarrista Steve Hackett (ex-Genesis), e, futuramente, com o Marillion, onde permanece até hoje!

1976 | THE WHITE LADIES

01. Legend (Part I)
02. Interlude I
03. Confrontation
04. Interlude II
05. Dance Of The White Ladies
06. Doubts
07. Trace I
08. Witches' Dance
09. Surrender
10. Interlude III
11. Pathetique
12. Legend (Part II)
13. Interlude IV
14. The Rescue
15. Trace II
16. Back Home
17. Meditation - For Rene
18. Flashback
19. Conclusion

DOWNLOAD

Sem a "cozinha" que lhe acompanhava até ali, Rick assumiu de vez o papel de "dono" da banda (tanto que o disco é creditado a Rick van der Linden and Trace), e resoveu investir em uma sonoridade ainda mais sinfônica, e mais próxima à da música clássica. Com a presença dos ex-membros do Ekseption, Cor Dekker (baixo) e Peter de Leeuwe (bateria e guitarras, ele que havia sido o baterista original do Trace), e a presença de diversos outros músicos, como Dick Remelink (também ex-Ekseption, sax e flauta), Hetty Smit (vocais) e até um segundo tecladista (Hans Jacobse), a nova formação gravou um álbum bastante diferente dos anteriores, para contar, através de dezenove faixas (onde boa parte são pequenas vinhetas com menos de um minuto, e a maior não chega a quatro minutos), uma lenda local sobre a esposa de um fazendeiro "raptada" pelos espíritos das "white ladies" do local.

Com a presença de uma orquestra e de um narrador (papel de Harry Schäfer, amigo de Rick e autor das letras) em algumas faixas, os dois lados do vinil original se desenvolvem no formato de suíte, como se fossem uma única composição. Sendo assim, é bastante difícil apontar destaques, mas me sinto compelido a citar "Dance of the White Ladies" (que poderia passar por uma composição da carreira solo do também tecladista Rick Wakeman, se não fosse a presença do saxofone), as duas adaptações para trechos de obras de Ludwig van Beethoven ("Pathétique" e "The Rescue"), "Back Home" (onde o saxofone retoma a sonoridade jazzística presente em algumas músicas dos primeiros discos), a agitada "Witches' Dance" e a calma "Meditation (for René)" (outra composição que lembra bastante o Focus, assim como "Doubts") para aqueles que quiserem "descobrir" o álbum, o qual, reitero, só será compreendido em sua totalidade quando escutado na íntegra. Para mim, este é o menos interessante dos três álbuns da banda, mas, mesmo assim, apresenta muitas qualidades.

As parcas vendas do terceiro LP e a ausência de uma turnê promocional fizeram com que Rick desistisse de vez do Trace, organizando então uma volta do Ekseption, visto que alguns ex-membros do grupo já estavam ao seu lado. Em paralelo ao trabalho com este grupo, o tecladista manteve uma longa carreira solo ao longo dos anos, além de escrever algumas trilhas sonoras para filmes europeus, participar como convidado de diversos trabalhos e dos projetos Cum Laude e Mistral. O talentoso músico viria a sofrer um AVC em 2005, vindo a falecer a 22 de janeiro de 2006 em seu país natal, deixando para nós um enorme legado musical e uma obra que comprova que ele foi um dos maiores gênios do teclado do século XX, obra esta do qual o Trace foi uma parte importantíssima!

Texto | Micael Machado

domingo, 14 de janeiro de 2018

Aardvark


Um som prog sem uma guitarra? Isso é exatamente o que este quarteto do início dos anos 70 britânico se propôs a fazer. Originalmente, eles se tornaram conhecidos principalmente porque "Paul Kossof" e "Simon Kirke" tocavam na banda antes de sair para formar a banda lendária "Free".

A partir de então, "Aardvark" era principalmente gravado em estúdio e no momento em que gravou seu único álbum, a formação consistia em "Stan Aldous" (baixo), "Frank Clark" (bateria), "Steve Modista" (teclados, gravador, vibrafone) e "Dave Skillin" (vocal).

Comparações não são fáceis, mas, provavelmente, alguém poderia dizer que sua música tem o poder de "ELP" misturado com um pouco de R & B à la "Procol Harum" e início do "Moody Blues". Tons de "Greenslade" e "Pink Floyd" também estão presentes.

Como é de se esperar, o material do "Aardvark" é altamente órgão Hammond, o peso da música que está sendo realizado pelo fuzzed-up órgão Hammond que mais ou menos simula o trabalho de uma guitarra distorcida. Os vocais crescentes por "Skillin" são agradáveis ​​e a música, embora não seja muito original com pouca falta de variedade, é bastante melódico.

O álbum contém interação de piano / teclado, bem como alguns bons riffs de guitarra e refrões harmônicos.

Os pontos baixos: seguindo a moda do início dos anos 70, muitas faixas se arrastar por muito tempo. Além disso, possivelmente porque o Hammond dominante não resisti ao teste do tempo, o álbum infelizmente parece bastante desatualizado.

Finalmente, os cortes que funcionam melhor tendem a ser os menos progressistas. No geral, "Aardvark" é um esforço musical honesto para os tempos, um interessante experimento de arte rupestre mais cedo com uma ligeira vantagem progressiva.

Recomendado exclusivamente para colecionadores de início dos anos 70, heavy prog órgão Hammond. Fãs de "Spring", "Cressida" ou "Fields" também deve dar-lhes uma tentativa.

Texto retirado do blog | A Máquina de Fazer Sonhos

1970 | AARDVARK

01. Copper Sunset
02. Very Nice Of You To Call
03. Many Things To Do
04. Greencap
05. I Can't Stop
06. Outing
07. Once Upon A Hill
08. Put That In Your Pipe

DOWNLOAD

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Wanda Jackson


Que nome lhe vem à cabeça quando você ouve o surrado termo "rei do rock’n’roll"? Provavelmente Elvis Presley seja o mais lembrado, mas muitos citarão Chuck Berry, o criador dos maiores clássicos do gênero em seus primórdios, ou Jerry Lee Lewis, ou até mesmo Little Richard.

Elvis foi quem mais obteve fama e notoriedade, por ser um grande cantor e por abusar de seu carisma e sex appeal. Chuck Berry não teve o mesmo sucesso, ao menos não na mesma proporção, principalmente por ser negro em uma época em que a segregação racial era enorme. Havia "música de negros" e "música de brancos", rádios só para negros e rádios para brancos. Chuck Berry e Jerry Lee Lewis brigavam como crianças colegiais pelo título, quase chegando as vias de fato em várias ocasiões, por cada um reivindicar para si a alcunha de "rei".

O nome do monarca está longe de ser uma unanimidade, mas o da rainha está muito bem definido. Wanda Jackson é a rainha do rock’n’roll e do rockabilly há praticamente meio século. Nascida em 1937, Wanda iniciou sua carreira ainda na adolescência, quando chamou a atenção do cantor country Hank Thompson, que a incentivou a gravar com a sua banda, os Brazos Valley Boys. Em 1956, Wanda começou a namorar com o astro Elvis Presley, que a incentivou a deixar o country de lado e a gravar rock’n’roll e rockabilly.

Wanda abandonou as camisas xadrez, botas e chapéu country e adotou uma visual mais sexy, com saias plissadas costuradas por sua mãe. Uma mulher tocando guitarra e liderando uma banda de rock chocou os conservadores no final dos anos cinquenta. Seus primeiros discos, Wanda Jackson (1958), Rockin’ with Wanda (1960) e There’s a Party Goin’ On (1961) lhe trouxeram vários hits, como "Let’s Have a Party", "Right or Wrong” e "Fujiyama Mama", sobre uma mulher que se compara ao vulcão japonês quando entra em erupção. Além de compor grande parte de seu repertório, Wanda Jackson também gravou vários covers sensacionais de Chuck Berry, Little Richard, Carl Perkins e Charlie Rich.

O sucesso lhe rendeu o título de Rainha do Rockabilly, gênero que mistura rock’n’roll com hillbilly, uma mistura acelerada de country, blues, folk e swing que estava surgindo e que Wanda ajudou a solidificar.

Nos anos sessenta Wanda voltou-se novamente para a country music, gravando rock’n’roll ocasionalmente. Convertida ao cristianismo, passou a gravar álbuns gospel, alternando baladas country e música religiosa. Manteve a popularidade durante a década, até ser dispensada em 1973 pela gravadora Capitol, justamente por insistir em lançar álbuns religiosos. No ostracismo, continuou lançando discos e fazendo shows, até voltar aos poucos a gravar rock, como em seu álbum de 1984, Rock’n’Roll Away Your Blues.

Em 2000 foi lançada a ótima coletânea Queen of Rockabilly, com trinta faixas que englobam o seu período mais fértil. O resultado é um apanhado de maravilhosos petardos do rock’n’roll que demonstram todo o poder da soberana do rock. Seus últimos registros em estúdio foram os discos Heart Trouble, de 2003, que traz a participação de Elvis Costello e da banda The Cramps; e I Remember Elvis, um tributo ao antigo amigo e namorado.

Em 2009, Wanda Jackson foi introduzida ao Rock’n’Roll Hall of Fame em sua 24° edição, na categoria “Primeiras Influências”. Como o Metallica foi introduzido nesta mesma noite, a mídia que cobriu o evento quase nem reparou nela, mas Wanda voltou a lotar casas de shows e viu, impressionada, seu público aumentar consideravelmente no último ano. O recrudescimento de sua popularidade após o Hall of Fame já lhe rendeu uma turnê de duas semanas pela Europa, shows no Japão e uma apresentação no beneficente Woody Guthrie Folk Festival.

Texto | Maurício Rigotto

2000 | QUEEN OF ROCKABILLY
The Very Best Of The Rock 'n' Roll Years


01. Baby Loves Him
02. Mean Mean Man
03. Fujiyama Mama
04. Cool Love
05. Honey Bop
06. I Gotta Know
07. Let's Have A Party
08. Money Honey
09. Long Tall Sally
10. Hot Dog! That Made Him Mad
11. Searchin'
12. Savin' My Love
13. Kansas City
14. Hard Headed Woman
15. Tunnel Of Love
16. My Baby Left Me
17. Sticks And Stones
18. Who Shot Sam?
19. There's A Party Goin' On
20. Brown Eyed Handsome Man
21. You Don't Know Baby
22. Tongue Tied
23. Riot In Cell Block #9
24. Slippin And Slidin'
25. Fallin'
26. Rip It Up
27. Rock Your Baby
28. Whole Lotta Shakin' Goin' On
29. Honey Don't
30. Man, We Had A Party

DOWNLOAD

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

New Trolls


New Trolls é uma banda italiana de rock progressivo conhecida por sua fusão entre o rock e a música erudita. Sua história é marcada por várias mudanças na formação, no nome da banda e pelas diversas discussões entre os integrantes.

A banda foi formada em meados da década de 1960 pelos músicos Vittorio de Scalzi (guitarra e vocal), Nico di Palo (guitarra e vocal), Mauro Chiarugi (teclado), Giorgio D'Adamo (baixo e vocal) e Gianni Belleno (bateria e vocal). Decidiram chamá-la New Trolls por causa do nome da ex-banda de um dos integrantes, The Trolls.

Após algumas ocasiões abrindo apresentações para os Rolling Stones, lançaram o single de estreia Sensazioni, em 1976, o primeiro de uma longa série de outros singles. A banda era considerada uma das melhores apresentações na Itália na época, o guitarrista Nico Di Palo, inspirado em Jimi Hendrix, foi um dos primeiros guitar heroes italianos.

Em 1968, foi lançado o primeiro álbum da banda, Senza orario senza bandiera, que contava com letras compostas pela banda e pelo letrista Fabrizio De André. O álbum foi muito bem sucedido na época. O segundo álbum, auto intitulado, foi lançado em 1970, como uma compilação dos singles já lançados anteriormente. No final do mesmo ano Mauro Chiarugi deixou a banda, tornando a banda um quarteto.

Em 1971, lançaram o álbum que é atualmente considerado a marca da banda, Concerto Grosso N. 1, com arranjos clássicos escritos pelo compositor Luis Enriquez Bacalov. É considerado por críticos como um dos mais importantes lançamentos do rock italiano, por ser o primeiro esforço em misturar rock com música erudita realizado na Itália.

A segunda mudança na formação ocorreu em 1972, com a baixista Giorgio D'Adamo sendo substituído pelo ítalo-canadense Frank Laugelli. Com a nova formação lançaram Searching for a land, um álbum dúplo com algumas faixas ao vivo, gravado em sua maioria em inglês. O álbum não obteve sucesso, assim como a maioria dos álbuns de artistas do rock progressivo lançados em inglês. No mesmo ano ainda foi lançado Ut, introduzindo um som mais pesado da banda similar ao hard rock. Apesar da resposta positiva da crítica e do público, a banda foi dividida, com Di Palo e De Scalzi indo para caminhos musicais diferentes. Ações judiciais ocorreram pelo direito ao nome da banda. Di Palo e os outros três membros da banda formaram o Ibis, uma banda voltada ao hard rock. Vittorio De Scalzi formou a banda New Trolls Atomic System para evitar problemas contratuais. ...

Texto | Wikipédia

1972 | UT

01. Studio
02. Xxii Strada
03. I Cavalieri Del Lago dell'Ontario
04. Storia Di Una Foglia
05. Nato Adesso
06. C'e' Troppa Guerra
07. Paolo E Francesca
08. Chi Mi Puo' Capire

DOWNLOAD

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Sandy Denny


Uma das cantoras mais celebradas da cena folk britânica, Sandy Denny que já cantava na banda Strawbs, ganhou respeito quando entrou em 1968 para a Fairport Convention, que na época a banda era considerada uma das maiores expoentes do folk music.

Apesar do imenso sucesso ao lado Fairport Convention, a cantora decidiu – influenciada e apaixonada por Trevor Lucas – abandonar o grupo para formar a banda Fotheringay, e lançam em 1970 o primeiro e único álbum da banda, Fotheringay.

O disco teve um ótimo resultado, mas com a vida tempestuosa do casal Sandy e Trevor – já casados – e pressionados pela gravadora, decidem por fim ao grupo. No ano seguinte, Sandy parte para carreira solo com a gravação do álbum The North Star Grassman and the Ravens, que não chega a ser um sucesso, e encontra tempo para aceitar um convite do cantor Robert Plant para participar da gravação de uma faixa do álbum Led Zeppelin IV. Sandy marca presença cantando em Battle of Evermore.

No final de 1971, Sandy se reuniu com membros da Fairport Convention, Richard Thompson, Linda Thompson e outros músicos para formar o grupo The Bunch, e gravar um disco só de covers. Aproveitando a companhia dos músicos do The Bunch, Sandy gravou o que seria considerado seu melhor álbum, e entrou em uma longa turnê pelo Reino Unido e Europa. Após a turnê do Sandy, Sandy Denny entra novamente em estúdio, as gravações do Like an Old Fashioned Waltz concluíram em agosto de 1973, mas o disco só seria lançado no ano seguinte. Após algumas andanças, a cantora volta aos braços da Fairport Convention e em 1976 deixa a banda novamente.

Em 1977, Sandy lançou seu ultimo álbum, Rendezvous foi produzido por Trevor Lucas e trouxe um som mais contemporâneo.

Em 1978, Sandy sofreu uma hemorragia cerebral após cair de uma escada, o que lhe levou ao estado de coma e a morte aos 31 anos.

Texto retirado do blog | Folk'n Blues

1971 | THE NORTH STAR GRASSMAN AND THE RAVENS

01. Late November
02. Blackwaterside
03. The Sea Captain
04. Down In The Flood
05. John The Gun
06. Next Time Around
07. The Oprimist
08. Let's Jump the Broomstick
09. Wretched Wilbur
10. North Star Grassman And The Ravens
11. Crazy Lady Blues

DOWNLOAD

1972 | SANDY

01. It'll Take a Long Time
02. Sweet Rosemary
03. For Nobody to Hear
04. Tomorrow Is a Long Time
05. Quiet Joys of Brotherhood
06. Listen, Listen
07. The Lady
08. Bushes and Briars
09. It Suits Me Well
10. The Music Weaver

DOWNLOAD

1974 | LIKE AN OLD FASHIONED WALTZ

01. Solo
02. Like an Old Fashioned Waltz
03. Whispering Grass
04. Friends
05. Carnival
06. Dark the Night
07. At the End of the Day
08. Until the Real Thing Comes Along
09. No End

DOWNLOAD

1977 | RENDEZVOUS

01. I Wish I Was a Fool For You
02. Gold Dust
03. Candle In the Wind
04. Take Me Away
05. One Way Donkey Ride
06. I'm a Dreamer
07. All Our Days
08. Silver Threads and Golden Needles
09. No More Sad Refrains
10. Full Moon (Bonus Track)

DOWNLOAD

2007 | LIVE AT BBC 1966-1973

Disc One | IN SESSION
01. Fhir A' Bhata
02. Green Grow the Laurels
03. Hold On To Me Babe
04. Blues Run The Game
05. Late November
06. Late November
07. Crazy Lady Blues
08. The Lowlands Of Holland
09. It Suits Me Well
10. The Music Weaver
11. Bushes And Briars
12. It'll Take A Long Time
13. Solo
14. Like An Old Fashioned Waltz
15. Who Knows Where The Time Goes?
16. Until The Real Thing Comes Along
17. Whispering Grass
18. Dark The Night
19. Solo

Disc Two | IN CONCERT
01. The North Star Grassman And The Ravens
02. Sweet Rosemary
03. The Lady
04. Bruton Town
05. Next Time Around
06. Blackwaterside
07. John The Gun
08. The Lady
09. Bushes And Briars
10. It Suits Me Well
11. Blackwaterside
12. The Music Weaver
13. The Sea Captain
14. John The Gun
15. Dialogue - Interview (Tomorrow's People BBC World Service Programme 1972)

Disc Three | "OFF-AIR" RECORDING
01. This Train
02. Make Me A Pallet On Your Floor
03. The Last Thing On My Mind
04. You Never Wanted Me
05. Been On The Road So Long
06. The Quiet Land Of Erin
07. Sweet Nightingale
08. Blackwaterside
09. The North Star Grassman And The Ravens
10. The Lady
11. It'll Take A Long Time

DOWNLOAD


2010 | DELUXE BOX SET | 19 CDs

Artwork | DOWNLOAD

DISC 1
Alex Campbell and his Friends
01. The Bride
02. You Never Wanted Me
03. This Train
Sandy and Johnny
04. Milk and Honey
05. The Last Thing On My Mind
06. 3.10 to Yuma
07. Make Me A Pallet On Your Floor
08. Pretty Polly
09. Been On The Road So Long
10. My Ramblin' Boy
It's Sandy Denny
11. 3.10 to Yuma
12. Pretty Polly
13. Milk and Honey
14. The Last Thing On My Mind
15. Make Me A Pallet On Your Floor

DOWNLOAD

DISC 2

Sandy Denny & The Strawbs | All Our Own Work
01. On My Way
02. Who Knows Where The Time Goes
03. Tell Me What You See In Me
04. Stay Awhile With Me
05. All I Need Is You
06. Sail Away To The Sea
07. And You Need Me
Sandy Denny & The Strawbs (1991 Re-Issue with Strings)
08. Nothing Else Will Do (Sandy lead vocal)
09. Who Knows Where the Time Goes? (strings)
10. And You Need Me (strings)
11. Tell Me What You See in Me (added sitar)
12. Stay Awhile with Me (strings)
13. Two Weeks Last Summer
Swedish Fly Girls (Film Soundtrack)
14. Water Mother
15. What Will I Do Tomorrow?
16. Are The Judges Sane Fly Girls,
17. I Need You

DOWNLOAD

DISC 3

Fairport Convention | What We Did on Our Holidays

01. Fotheringay
02. Mr Lacey
03. Book Song
04. The Lord Is In This Place
05. I'll Keep It With Mine
06. Eastern Rain
07. Nottamun Town
08. She Moves Through The Fair
09. Meet On The Ledge
Fairport Convention | Unhalfbricking
10. Genesis Hall
11. Si Tu Dois Partir
12. Autopsy
13. A Sailors Life
14. Cajun Woman
15. Who Knows Where The Time Goes
16. Percy's Song
17. Million Dollar Bash
Bonus tracks
18. Mr Lacey Unreleased (Sandy lead vocal)
19. Autopsy Unreleased (alternate take)

DOWNLOAD

DISC 4

Fairport Convention | Liege & Lief
01. Come All Ye
02. Reynardine
03. Matty Groves
04. Farewell Farewell
05. The Deserter
06. Tam Lin
07. Crazy Man Michael
Bonus tracks
08. Come All Ye (take 1)
09. Matty (take 1)

DOWNLOAD

DISC 5

Fotheringay | Fotheringay
01. Nothing More
02. The Sea
03. Winter Winds
04. Peace In The End
05. The Way I Feel
06. Pond and the Stream
07. Banks of The Nile
Fotheringay | Fotheringay 2
08. John The Gun
09. Eppy Moray
10. Wild Mountain Thyme
11. Late November
12. Gypsy Davey
13. Silver Threads and Golden Needles
14. Two Weeks Last Summer
15. Gypsy Davey (Joe Boyd mix)
16. Late November (Joe Boyd mix)
17. Two Weeks Last Summer (Joe Boyd mix)

DOWNLOAD

DISC 6

The North Star Grassman and the Ravens
01. Late November
02. Blackwaterside
03. The Sea Captain
04. Down In The Flood
05. John The Gun
06. Next Time Around
07. The Optimist
08. Lets Jump The Broomstick
09. Wretched Wilbur
10. Northstar Grassman and the Ravens
11. Crazy Lady Blues
Bonus tracks
12. Late November (El Pea version)
13. Blackwaterside (Alternate take)
14. Next Time Around (Alternate take without strings)
The Bunch | Rock On
15. That'll Be The Day
16. Love's Made A Fool of You
17. Willie and the Hand Jive
18. WhenWill I Be Loved?
19. Learning The Game

DOWNLOAD

DISC 7

Sandy
01. It'll Take A Long Time
02. Sweet Rosemary
03. For Nobody To Hear
04. Tomorrow Is A Long Time
05. Quiet Joys of Brotherhood
06. Listen, Listen
07. The Lady
08. Bushes and Briars
09. It Suits Me Well
10. The Music Weaver
Bonus tracks
11. Ecoute, Ecoute (Listen, Listen French version)
12. For Nobody to Hear (original version)unreleased
13. The Music Weaver (without strings)unreleased
14. Here in Silence (From the short film Pass of Arms)
15. Man of Iron (From the short film Pass of Arms)

DOWNLOAD

DISC 8

Like an Old Fashioned Waltz
01. Solo
02. Like An Old Fashioned Waltz
03. Whispering Grass
04. Friends
05. Carnival
06. Dark The Night
07. At The End Of The Day
08. Until The Real Thing Comes Along
09. No End
Bonus tracks
10. Solo (no overdubs)
11. Like an Old Fashioned Waltz (without strings)
12. Friends (Alternate version)
13. Dark the night (Alternate take)
14. At the End of the Day (alternate take w/o strings)
15. No End (alternate take w/o strings)

DOWNLOAD

DISC 9

Fairport Convention | Fairport Live Convention (A Moveable Feast)
01. Matty Groves
02. John The Gun
03. Something you got
04. Down In The Flood
05. That'll Be The Day
Fairport Convention | Rising for the Moon
06. Rising For The Moon
07. Restless
08. White Dress
09. Stranger to Himself
10. What is True?
11. Dawn
12. After Halloween
13. One More Chance
Bonus tracks
14. White Dress (Alternate version)
15. Dawn (Alternate version)
16. One More Chance (alternate take)
17. Breakfast in Mayfair (from The Man They Couldn't Hang)

DOWNLOAD

DISC 10

Rendezvous
01. I Wish I Was A Fool For
02. Gold Dust
03. Candle In The Wind
04. Take Me Away
05. One Way Donkey Ride
06. I'm A Dreamer
07. All Our Days
08. Silver Threads And Golden Needles
09. No More Sad Refrains
Bonus tracks
10. Full Moon (Bonus track on US Hannibal release)
11. Still Waters Run Deep (‘Candle in the wind’ b-side)
12. I’m a Dreamer (Alternate take without strings)
13. All Our Days (full length version)
14. No More Sad Refrains (without strings)
15. Full Moon (Alternative version feat. Dave Swarbrick solo)

DOWNLOAD

DISC 11

Gold Dust: Live at the Royalty
01. I Wish I Was A Fool For
02. Stranger to Himself
03. I'm A Dreamer
04. Take Me Away
05. Nothing More
06. The Sea
07. The Lady
08. Gold Dust
09. Solo
10. John The Gun
11. It'll Take A Long Time
12. Wretched Wilbur
13. Tomorrow Is A Long Time
14. The Northstar Grassman and the Ravens
15. One More Chance
16. No More Sad Refrains
17. Who Knows Where The Time Goes

DOWNLOAD

DISC 12

The Early Home Demos
01. Blues Run The Game
02. Milk and Honey
03. Soho
04. It Ain't Me Babe
05. East Virginia
06. Geordie
07. In Memory (The Tender Years)
08. I Love My TRUE Love
09. Let No Man Steal Your Thyme
10. Ethusel
11. Carnival
12. Setting of the sun
13. Boxful of Treasures
14. They Don't Seem to Know You
15. Gerrard Street
16. Fotheringay
17. She Moves Through The Fair
18. The Time Has Come
19. Seven Virgins
20. A Little Bit Of Rain
21. Go Your Own Way My Love
22. Cradle Song
23. Blue Tattoo
24. The Quiet Land of Erin
25. Who Knows Where The Time Goes (1st demo 1967)

DOWNLOAD

DISC 13

Solo & Fairport Convention
01. Who Knows Where the Time Goes (2nd demo 1968)
02. Motherless Children (home demo)
03. Milk and Honey (Live BBC, Cellarful of Folk 21/3/67)
04. Been on the Road So Long (Live BBC, My Kind of Folk 26/6/68)
05. Quiet Land of Erin (Live BBC, My Kind of Folk 26/6/68)
06. Autopsy (demo)
07. Now and Then (demo)
08. Fotheringay (Acoustic version)
09. She Moved Through the Fair (Acoustic version)
10. Mr. Lacey (live BBC, Stuart Henry Show 02/12/68)
11. Throwaway Street Puzzle
12. Ballad of Easy Rider
13. Dear Landlord
14. A Sailors Life (1st version without Swarb)
15. Sir Patrick Spens
16. Quiet Joys of Brotherhood (take 1)
17. Quiet Joys of Brotherhood (take 4)

DOWNLOAD

DISC 14

Fotheringay
01. The Sea (studio demo)
02. Winter Winds (studio demo)
03. The Pond and the Stream (studio demo)
04. The Way I Feel (original version)
05. Banks of the Nile (alternate take)
06. Winter Winds (alternate take)
07. Silver Threads and Golden Needles (1st album outtake)
08. The Sea (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
09. Two Weeks Last Summer (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
10. Nothing More (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
11. Banks of the Nile (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
12. Memphis Tennessee (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
13. Trouble (live Holland Festival, Rotterdam 1970)
14. Bruton Town (band rehearsal)

DOWNLOAD

DISC 15

Northstar Grassman and the Ravens & Sandy
01. The Sea Captain (demo)
02. Next Time Around (demo)
03. The Optimist (demo)
04. Wretched Wilbur (demo)
05. Crazy Lady Blues (demo)
06. Lord Bateman (demo)
07. Walking the Floor Over You (duet with Richard Thompson)
08. Losing Game
09. Northstar Grassman and the Ravens (Live, BBC One in Ten)
10. Crazy Lady Blues (Live, BBC One in Ten)
11. Late November (Live, BBC One in Ten)u
12. If You Saw Thru My Eyes (duet with Ian Matthews)
13. It’s A Boy (Tommy As Performed by The London Symphony Orchestra 1972)
14. Northstar Grassman and the Ravens (Live, BBC Bob Harris Show 06/09/71)
15. 12th of Never
16. Sweet Rosemary (Manor demo alternate take)
17. The Lady (Manor demo)
18. After Halloween (Manor demo)

DOWNLOAD

DISC 16

Sandy & Like An Old Fashioned Waltz
01. It’ll Take a Long Time (demo)
02. Sweet Rosemary (Manor demo)
03. For Nobody to Hear (demo)
04. Tomorrow is a Long Time (demo)
05. Quiet Joys of Brotherhood (demo)
06. Listen, Listen (Manor demo)
07. The Lady (demo)
08. Bushes and Briars (demo)
09. It Suits Me Well (demo)
10. The Music Weaver (demo)
11. No End (piano version alternate take with studio chat)
12. Whispering Grass (studio demo)
13. Until the Real Thing Comes Along (studio demo)
14. Walking the Floor Over You (1973 version)
15. No End (solo piano version)


DISC 17

Fairport Live at The LA Troubadour 1974 & Interviews
01. Down in the Flood (live at the LA Troubadour)
02. Solo (live at the LA Troubadour)
03. It’ll take a Long Time (live at the LA Troubadour)
04. She moved through the Fair (live at the LA Troubadour)
05. Knockin’ on Heavens Door (live at the LA Troubadour)
06. Like An Old Fashioned Waltz (live at the LA Troubadour)
07. John the Gun (live at the LA Troubadour)
08. Crazy Lady Blues (live at the LA Troubadour)
09. Who Knows Where the Time Goes (live at the LA Troubadour)
10. Matty Groves (live at the LA Troubadour)
11. That’ll be the Day (live at the LA Troubadour)
12. What is True (studio demo)
13. Sandy interviewed about Like An Old Fashioned Waltz. BBC radio, John Peel Sounds on Sunday 06/01/1974
14. Sandy interviewed in 1974 to promote Like An Old Fashioned Waltz and her return to Fairport Convention

DOWNLOAD

DISC 18

Rendezvous
01. Blackwaterside (live Marc Time 1975)
02. No More Sad Refrains (live Marc Time 1975)
03. By The Time It Gets Dark (acoustic studio demo)
04. One Way Donkey Ride (acoustic version)
05. Losing Game (with Jess Roden)
06. Easy to Slip
07. By The Time It Gets Dark (studio demo)
08. No More Sad Refrains (live at Basing Street 25/04/76)
09. I’m a Dreamer (live at Basing Street 25/04/76)
10. All Our Days (Choral version)
11. By The Time It Gets Dark (studio take with full band)
12. Still Waters Run Deep (Acoustic version)
13. Full Moon (acoustic version)
14. Candle in the Wind (piano version)
15. Moments
16. I Wish I Was a Fool for You (Original Gold Dust LP version)
17. Gold Dust (Original Gold Dust LP version)
18. Still Waters Run Deep (Original Gold Dust LP version)
19. Moments (Acoustic version) actual final studio recording

DOWNLOAD

DISC 19

The Byfield demos 74-77
01. King And Queen of England (demo with piano introduction)
02. Rising For the Moon (demo)
03. One More Chance (demo)
04. King and Queen of England (take 1, demo)
05. After Halloween (demo 1974)
06. What Is True (demo)
07. Stranger to Himself (demo)
08. Take Away the Load (demo)
09. By the Time It Gets Dark (demo)
10. I’m a Dreamer (demo)
11. Full Moon (demo)
12. Take Me Away (demo)
13. All Our Days (demo)
14. No More Sad Refrains (demo)
15. Still Waters Run Deep (demo)
16. One Way Donkey Ride (demo)
17. I’m a Dreamer (2nd demo)
18. Full Moon (2nd demo)
19. Makes Me Think of You (demo)

DOWNLOAD

terça-feira, 2 de janeiro de 2018

Travis


Texto | Wikipédia

Travis é uma banda escocesa, formada por Neil Primrose (baterista), Fran Healy (vocalista), Andy Dunlop (guitarrista) e Dougie Payne (baixista) em Glasgow em 1990.

O Travis foi formado por garotos na escola de arte de Glasgow que resolveram fazer música para expressar seus sentimentos. Suas músicas tinham uma levada pop, com uma fórmula clássica: um rock de levada mais acústica, aliado a letras que podem ir do romântico ao melancólico, passando pelo tema "álcool + garotas". E também com influências quase que comuns a todas as bandas do britpop dos anos 90: Beatles e blues.

A banda foi formada em 1991, com o nome de Glass Onion e com três dos atuais quatro integrantes: Fran Healy (vocais), Neil Primrose (bateria) e Andy Dunlop (guitarra). Em 1994 veio a mudança do nome para Travis, tirado de um personagem do filme "Paris, Texas". E em 1996 integrou a banda como baixista Dougie Payne, um antigo amigo de Healy da escola de arte, que nunca tinha tocado o instrumento antes.

The Man Who (1999-2000)
No entanto, foi com "The Man Who" que os rapazes de Glasgow conseguiram alcançar o topo das paradas britânicas, especialmente com a canção "Why does it always rain on me". Assim como em "Good Feeling", as canções são românticas e melancólicas, com guitarras um pouco mais suaves que no disco anterior, mas com um forte apelo pop.

A guitarra base, na maioria das vezes, é substituída por um violão, o que deixa as músicas ainda mais melancólicas. Esse álbum saiu em 1999, com produção de Nigel Godrich (Radiohead) e Mike Hedges (Manic Street Preachers) e contou com uma pequena polêmica: a de que a sua primeira faixa, "Writing to Reach You", seria um plágio de "Wonderwall", do Oasis.

A introdução é, de fato bem semelhante, mas como se sabendo desta semelhança, a letra da música pergunta: "what´s a Wonderwall anyway?". Quando questionado sobre isso, Healy simplesmente disse "só são acordes".

1999 | THE MAN WHO

01. Writing To Reach You
02. The Fear
03. As You Are
04. Driftwood
05. The Last Laugh Of The Laughter
06. Turn
07. Why Does It Always Rain On Me
08. Luv
09. She’s So Strange
10. Slide Show

DOWNLOAD

The Invisible Band (2001-2002)
O terceiro álbum do Travis foi "The Invisible Band", de 2001, também com a produção de Godrich. O primeiro single de trabalho foi "Sing", uma música suave e com um bandolim.

A letra foi dedicada à namorada de Healy, pois, segundo ele, ela tinha vergonha de cantar as músicas do Travis que tocavam no rádio. Outros singles lançados foram "Side" e "Flowers in the Window".

Em 2001, é lançado no Reino Unido o DVD "More Than Us", que contém uma apresentação da banda em Glasgow. O trabalho é lançado no resto do mundo no ano seguinte.

2001 | THE INVISIBLE BAND

01. Sing
02. Dear Diary
03. Side
04. Pipe Dreams
05. Flowers In The Window
06. The Cage
07. Safe
08. Follow The Light
09. Last Train
10. Afterglow
11. Indefinitely
12. The Humpty Dumpty Love Song

DOWNLOAD

sábado, 30 de dezembro de 2017

Procol Harum


Procol Harum é uma banda britânica de rock progressivo formada no início dos anos 60. Eles são mais conhecidos por seu compacto "A Whiter Shade of Pale", número um nas paradas de sucesso inglesas.

Formada das cinzas de um grupo chamado "Paramounts" liderado por Gary Brooker e Robin Trower, a estreia ao vivo do Procol foi abrindo um concerto de Jimi Hendrix em 1967, o que levou a recém-lançanda "A Whiter Shade of Pale" ao topo das paradas. Um LP e outros compactos seguiram-se, mas sem alcançar o sucesso daquela primeira gravação.

Durante os anos 70 o grupo Procol Harum permaneceu mais popular do que outras bandas de rock progressivo mais sofisticadas, como Emerson, Lake & Palmer. O grupo continuou apesar das diversas mudanças na formação, mas o declínio das vendas decretou o fim do grupo em 1977.

A banda reuniu-se em 1991 para o lançamento de Prodigal Stranger, que não obteve muita repercussão. Uma nova encarnação do Procol, liderada por Brooker, está na estrada em turnê pelos EUA desde 1992.

O nome da banda foi escolhido por seu empresário, inspirado no nome do gato de um amigo seu. Traduzido do latim, significa algo como "Através dessas coisas".

O asteróide 14024 Procol Harum tem esse nome em homenagem à banda.

Texto | Wikipédia

1970 | HOME

01. Whisky Train
02. The Dead Man s Dream
03. Still There ll Be More
04. Nothing That I Didn t Know
05. About To Die
06. Barnyard Story
07. Piggy Pig Pig
08. Whaling Stories
09. Your Own Choice

DOWNLOAD

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Curved Air


Curved Air foi uma banda britânica pioneira do rock progressivo formada em 1969, por Francis Monkman (teclado e guitarra), Darryl Way (violino e vocal), Sonja Kristina Linwood (vocal), Florian Pilkington-Miksa (bateria) e Rob Martin (baixo). O grupo surgiu da banda Sisyphus, e foi nomeada por Monkman como referência à obra A Rainbow in Curved Air, do compositor contemporâneo Terry Riley.

A formação sofreu várias modificações, com Ian Eyre tomando o lugar do baixo no segundo álbum e Mike Wedgwood no terceiro. Outros membros incluem Eddie Jobson (posteriormente no Roxy Music, Frank Zappa e Jethro Tull), Stewart Copeland (The Police) e Tony Reeves (ex-Greenslade, Colosseum e John Mayall). Somente Sonja Kristina restou como membro original da banda. Monkman, posteriormente saiu da banda para tocar com John Williams na banda Sky.

Os músicos originaram-se de diferentes escolas musicais, variando da música erudita, música folk e música eletrônica, resultando em uma mistura de rock progressivo, folk rock e fusion no som da banda.

O primeiro álbum foi lançado em 1970. Air Conditioning alcançou a oitava posição nas paradas do Reino Unido. Em 1976 a banda gravou seu último álbum e acabou se dividindo.

Texto | Wikipédia

1975 | MIDNIGHT WIRE

01. Woman On a One Night Stand
02. Day Breaks My Heart
03. The Fool
04. Pipe of Dreams
05. Orange Street Blues
06. Dance of Love
07. Midnight Wire


DOWNLOAD